Google+ Followers

domingo, 2 de fevereiro de 2014

Simples assim


Hoje, acordei esperançoso
Adoraria te ver..
quem sabe eu poderia dizer
tudo o que sinto; tudo o que desejo..

Queria poder ser a luz que invade seu quarto
Poder observa-la, vela deitada suavemente
Ai quem sabe neste momento.. se eu tivesse o poder de Morfeu
eu poderia habitar seus sonhos,
saber teus segredos e
teus desejos mais íntimos

Iria despi-la  de seus tabus
deixaria você sem palavras
sem frases feitas
teus livros não poderiam ajudar-te
Pois uma vez desestruturada
de teus medos.. 
das metáforas, analises,
metodologia e rituais...
serias simplesmente você....

Iria decifra-la; qual um hermeneuta
a transformaria em um texto simples
porém de grande conteúdo..
Tudo o que sei e que quero você
e sei que pensando neste amor
é melhor tentar e falhar,
que ver a vida passar; e não ter você ao meu lado.

É melhor tentar, do que ficar estático
não fazendo nada até o final.
Prefiro ser um louco apaixonado,
que perder a oportunidade de dizer te amo.

Se eu pudesse escreveria meus versos
em sua mente
e nas tábuas do seu coração iria

tatuar meu nome...
na intimidade de teus pensamentos
o simples mencionar de meu nome
Explodiria uma reação em cadeia que lhe daria
um grande e intenso orgasmo mental..
pois em tua pele terias gravado
o toque de minha boca  e a doçura de meu beijo.

Quero ser teu homem; teu menino
ora inocente e desastrado
Necessitado de cuidados;
ora forte... pra dar-te meu ombro amigo
e meus cuidados...

Quero ser como um adolescente.
Teimoso, mas muito carinhoso
Sabe daqueles que ficam olhando no relógio
pedindo que a hora passe rápido
só pra lhe telefonar e perguntar como foi seu dia

Hoje quero te olhar alem da aparência
fazer a leitura das palavras expressas em teu olhar
reconhecer-te pelo cheiro de teu corpo..
pelo toque de suas mãos..
e mesmo com o passar do tempo
Poder dizer ao seu ouvido..
EU TE AMO..


Autor: Celso F. Santos 

domingo, 5 de janeiro de 2014

What does being full .



According to the dictionary
Fullness is :
S. F. Condition what is complete ,
integer , which is presented in its entirety
or entirely : the beauty in its fullness .
( Etm. Latin: plenitudinis )
Therefore it is necessary to be fully complete.
In other words only will be complete as you have .

I want you to understand love ...
I do not want another smile , another laugh,
much less another look .
I do not want another lap , another affection ,
or another hug to welcome me .

I do not want other hand afaguem my neck
or other arms protect me
the wickedness of the world or myself .
I do not want another kiss, another smell,

or other intertwining my fingers .
I do not want another love beyond your .
I do not want someone else ,

Who said that nothing is forever?
certainly do not know what it is to love someone
how I love you
does not come in the fullness of time you want.
does not come when you expect
it happens when you do not want ,

when you are afraid or not to be accepted .
When you flee , when you deny ,
when you do nothing to make it true
Sometimes hopefully the weather solve,
al unintentionally we lose much time
in endless hobbies
trying to deny what we already know

As cliché as it may sound ,
I say : I'm better because I have you .
I am happy because I have you .
I love you because I am .
Silly you think that there is someone
I want more than you.

I am who cares you even further.
Who protects you, even absent .
Who is waiting for you , really tired .
Who loves you , even ignored .
Who accepts you , even with all your flaws .

And above all , I am one who loves you .
Today and tomorrow and tomorrow and always .
Because only then understand what it is to
Fullness ......

Author : Celso F. Santos

Inspiration





I look at you and say ..
Touch me,
Would not even need to say anything.
Because we feel ...
the flame burning ,

The heat under the skin ,
announces , what our bodies
already know so well ,
As a spell, he intoxicates
our souls .

So is love.
when desire talks,
when reason does not seem to exist,
and all you see
is the insane desire
when we love , our sweaty bodies
if shred the sheets
and were involved
in a seduction endless .

I feel that the sky opens ,
and a whirlwind of emotions
Invade my mind
the storm gains strength ,
so is the power of love ,
in the evenings I'm with you ,

No matter whether it away
this hot or cold ..
if it rains or the weather is hot
Always in here
will summer.

daydream
Thinking about the kisses you gave me
In stolen minutes during the day
that even busy ,
Travel in thought and
feel the sweet taste of your kiss
I know love when ,
is a source of inspiration ,
is a chemical which involves
the mind in a fatal seduction
And that makes me every time
our bodies together making love turn art .

Now starin 'at you
dip in the brightness of your eyes
and tell him without fear
take me to the bottom of your charms
and involves me in desire of your arms
Today I want to die of love ....


 Author: Celso F. Santos

domingo, 15 de setembro de 2013

Sagitário



22 de novembro a 21 de dezembro (240º à 270º)
                                                  EU ASPIRO” – “EU OBSERVO” 


Liberdade, o seu maior estímulo...
Sagitário, o nono signo do zodíaco é o domicílio do planeta Júpiter e o exílio de Mercúrio - portanto, exatamente o contrário de Gêmeos.
Sagitário é um dos signos mais positivos do zodíaco. São versáteis e lhes encanta a aventura e o desconhecido. Têm a mente aberta para novas ideias e experiências e mantêm uma atitude otimista inclusive quando as coisas parecem difíceis. São fiáveis, honestos, bons, sinceros e dispostos a lutar pelas boas causas custe o que custar.
Os sagitarianos costumam acreditar na ética e gostam de seguir os ritos da religião, de um partido político ou de uma organização. Isto pode levar-lhes a terem certas tendências supersticiosas. Gostam de abarcar novos projetos e aprender sobre coisas novas. São intuitivos, bons organizadores, generosos e muito cuidadosos, o que lhes converte em bons gestores de situações e projetos.
Alguns sagitarianos têm um gênio forte, que pode aparecer diante de situações que para os outros não têm importância. Também são muito impacientes quando os outros não seguem o mesmo ritmo que eles. São capazes de sacrificar-se para realizar um objetivo. Isto faz com em algumas vezes eles sejam exigentes demais
A Júpiter estão associados à lei, os advogados, os juízes, os ministros, a religião, os sacerdotes, os médicos, os profissionais liberais em geral, a burguesia; o exterior, tudo que está além do meio ambiente imediato, as grandes viagens; a expansão, o crescimento, a busca de novos horizontes e também a inflação a megalomania e o exagero.
Júpiter – Zeus é o rei do Olimpo, o deus supremo do panteão grego, suas armas são o raio e o trovão; grande são suas iras e suas paixões.
Na astrologia tradicional, o período que lhe corresponde é a meia idade.
O exílio de Mercúrio (inteligência, comunicação, raciocínio) em Sagitário nada tem a ver com maior ou menor inteligência, e sim com a forma de organizar o raciocínio.
Júpiter representa a síntese onde Mercúrio faz a análise. No signo de Júpiter, Mercúrio está em exílio, pois ao rei do Olimpo escapam os detalhes; tentando ver o todo, tropeça nas minúcias; visando o amanhã, um incorrigível otimista, deixa de levar em conta dados mais concretos e atuais, capazes de frustrar seus planos.
E planos, Júpiter tem muitos. Júpiter – Sagitário corresponde à planificação, ao que Mercúrio antepõe à programação. Júpiter vive em função do futuro, Mercúrio vive em função do tempo.
O planeta também partilha com Netuno o domínio de Peixes, como seu regente antigo ou tradicional. Sagitário e Peixes são dois signos muitas vezes dispersivos – Júpiter representa multiplicidade – e que revelam um acentuado senso de oportunidade.
Júpiter é um planeta voltado para o convívio, a inserção no grupo, o acompanhamento das tendências predominantes; assim se explica sua exaltação no signo de Câncer, que apresenta estas mesmas características.
De acordo com as pesquisas de Michel Gauquelin, Júpiter é forte no mapa natal de atores, sendo também marcante a combinação Marte – Júpiter no mapa de militares e a dupla Lua – Júpiter no mapa de políticos.
O modelo paterno é totalmente predominante na formação da personalidade desse signo. E trata-se de um modelo tão forte que raramente ele encontra na vida alguém que de fato esteja à altura de corresponder ao pai.
Por isso esse pai interior, dos sagitarianos tende a ser uma espécie de mito, uma fantasia: é um filósofo, um sábio, um peregrino aventureiro, um homem que sabe todas as verdades.
A pessoa de Sagitário desenvolve uma série de qualidades pertinentes a este modelo fantástico, mas, como às vezes percebe que tanta sabedoria é maior que ele mesmo, tende a brincar com a vida, a fazer de conta que sabe tudo, muito mais que os outros, mais que ainda assim prefere viver com tranquilidade.
No fundo, esta é uma forma de lidar com os próprios sentimentos, que pela prevalência do modelo masculino tornam-se relativamente inacessíveis.
Acostumado à liberdade, não é muito comum vê-lo aprisionado por uma afeição, mas por outro lado, este nativo gosta de viver suas relações com a maior sinceridade possível, e nesse caso, o amor pode parecer mais atraente e divertido do que os excessos sentimentais da paixão. Ampliar horizontes, seguir para o futuro e estar sempre aberto a novas experiências são as características dos sagitarianos.
É acima de tudo, uma pessoa livre. Não consegue ficar preso aos laços domésticos ou as obrigações familiares. Observador e curioso adora viagens e tudo o que amplia os seus conhecimentos. É o signo da expansão. O sagitariano é uma pessoa alegre, diplomática e flexível.
Tem fascinação por aventuras e viagens. Gosta de ser apreciado pelo seu bom papo, é simpático e versátil. Por ser franco demais pode, muitas vezes, magoar as pessoas, ou magoarem-se facilmente. São também um pouco dispersivos.
Dinamismo: Grande disponibilidade energética (fogo) voltada a objetivos dos mais diversos, que uma vez abraçados amplificam a capacidade de recepção e adaptação ao mundo exterior.
Com predominância do quente e participação do úmido, que é por sua vez selecionado pelo sujeito em função de uma ordem por um ideal (masculino). Integração otimista na existência (Júpiter) concretizada, feita pelas buscas de horizontes cada vez mais amplos em todos os campos de atividade, sobretudo aqueles que levam a uma visão organizada do mundo, humanista e idealista, onde o sujeito insere como alguém que deve preservar os valores culturais e virtuosos do ser humano.
Nem sempre, esta visão entusiástica do mundo e dos valores humanos é levado à nível concreto, pois há uma carência de praticidade (exílio de Vênus) intelectual, há uma inquietude quanto aos critérios a serem adotados na escolha daqueles valores, que não raro, dispõe o sujeito a trocar a organização e a hierarquia como meio, pela organização e a hierarquia como um fim.
Os conflitos são estruturados num nível de conhecimento e finalidade (mutável), enquanto que as soluções podem ser estruturadas num nível de conquistas de uma superioridade intelectual (trígono de fogo).


Existem dois tipos de sagitarianos:

1. Tipo A: “cavalo amestrado”, predominância do úmido, tipo humano, adaptável, tendência para o conformismo confortável em que assimila facilmente boas maneiras os usos e costumes estabelecidos. Acredita na legalidade, na ordem e nas convenções, tem natureza expansiva, eufórica, entusiástica, diplomática, moralmente reta, honrosa, amorosa, etc.

2. Tipo B: “cavalo selvagem”, muito seco no mapa, tipo animal, inadaptável, tendência para a independência selvagem e para a revolta, natureza instintiva que se rebela contra os costumes de seu meio, comportando-se como um inadaptável, grande necessidade de emancipação, impulsividade, audácia, paixões ardentes, etc.

Em função da extroversão e da introversão:
1. Tipo A: “viagem externa”, aventura no encontro com as fronteiras distantes do mundo, paixão pelas viagens, esportista, temperamento nômade, explorador.
2. Tipo B: “viagem interna”, introversão, aventura no encontro com o mundo interior, vive em função de um ideal (filosófico, científico, moral), natureza que busca conhecimento, sabedoria, tudo em função de um auto-aperfeiçoamento.

A constelação que representa sua figura mitológica - metade homem, metade cavalo - é composto de 8 estrelas brilhantes porém, indistinguíveis, divididas em subgrupos: o Balde Lácteo (representando o corpo do centauro e o Arco.
Há uma estrela adicional chamada Nasi, que é a ponta da flecha. Facilmente vista a olho nu, pois é a nuvem mais luminosa da Via-Láctea, encontrável na parte sul do céu, durante o verão.
Os indivíduos nascidos sob seus raios são dotados de muita criatividade. Seus pensamentos disparam em todas as direções e impregnam com sua visão ampla e sua grande capacidade de compreensão.
No plano intelectual sagitário é a flecha de aspiração que a alma solta na direção do infinito: seu alvo é Deus!
É regido por Júpiter, o planeta da expansão, da jovialidade e da alegria. É inquieto e apaixonado pela exploração da vida. É por natureza um viajante e uma pessoa esportista. É o “bom vivant” do zodíaco e por este motivo está sempre ao lado dos arianos, librianos e leoninos.
Para o sagitariano o presente é somente um meio para o futuro pois a vida é um jogo oportunista que o levará sempre para mais uma aventura. No amor não é romântico, preferindo relações descompromissadas a uma que causa limitação à sua liberdade. Esta é a razão pela qual é conhecido como o signo dos “solteirões”.


Tarefa: Sagitariano, a ti Eu peço que faças os homens rirem, pois entre as distorções da minha ideia eles se tornam amargos. Através do riso, darás ao homem a esperança e através da esperança voltarás os seus olhos novamente a Mim. Chegarás a ter muitas vidas, ainda que só por um momento, e em cada vida que atingires conhecerás a inquietação. A ti sagitário, darei da infinita abundância, para que te poças expandir o bastante até atingir cada recanto onde haja escuridão, e levar até ele a luz.











Como conquistar um homem de Sagitário


Os sagitarianos costumam chamar a atenção, são encantadores e otimistas.
Os homens deste signo gostam muito de viajar e vagar de um lugar a outro. Para surpreender-lhe favoravelmente, convide-o de forma repentina para uma viagem ou excursão.
Sagitário é outro signo dual. Se você deseja seduzir um homem desse signo deverá ser capaz de enfrentar seu comportamento metade homem / metade cavalo, isto é, sua necessidade de diversão, por um lado, e de conversas filosóficas, por outro.
Sagitário pode ser descuidado em algumas ocasiões (seu lado cavalo) e muito bem vestidos em outras (sua parte humana). Assim que você também terá que ser receptiva e compreender essa dualidade.
Não dê conselhos a um homem de Sagitário. Na verdade, aceite os conselhos dele de forma entusiasmada.
Não se agarre muito ao sagitariano. Seja "seu melhor amigo" antes que uma amante possessiva.
O homem de Sagitário ama a ação, os esportes e os eventos. Pode funcionar convida-lo para alguma atividade. O sexo é um de seus esportes.
Eles precisam de diversão e risadas. Convide-o a uma festa. Eles gostam de chamar a atenção, assim que você pode planejar uma festa feita sob medida para ele.
Os sagitarianos gostam de ser diretos. Quem sabe pode funcionar ser uma mulher direta e um pouco impulsiva.









                                                   Como conquistar uma mulher de sagitário


As mulheres do signo de Sagitário simbolizam o idealismo e a independência. Elas também gostam de perambular e viajar.
Para conquistar uma mulher de Sagitário você deve preparar-se para divertí-la. As mulheres deste signo precisam de muita diversão e risadas. Seja positivo e otimista com ela.
Não tente deter uma mulher Sagitário. Deixe espaço para que ela se desenvolva. Seja um bom amigo, mais do que um amante possessivo.
Como signo dual, as mulheres de Sagitários também possuem um lado humano ( idealístico e filosófico) e uma parte animal (amante da diversão). Você deverá aceitar e satisfazer as duas facetas de sua personalidade.
Se você deseja seduzir uma mulher de Sagitário trate de explorar novos horizontes com ela. Viaje, planeje umas férias fora, num lugar com aventuras.
Elas geralmente gostam dos esportes ao ar livre. É claro que lhes encantam os cavalos... Assim que, por que não montar a cavalo?
Seja impulsivo e direto com ela. O sexo costuma ser um de seus esportes. Mas assegure-se de que é o momento certo.

Resolvi postar algo sobre Astrologia para fazer jus ao nome do blog

CElso F. Santos

sábado, 7 de setembro de 2013

O Significado da Plenitude.



O que significa ser pleno.
segundo o dicionário Plenitude  é
s.f. Condição daquilo que está completo, 
inteiro; que se apresenta em sua totalidade 
ou integralmente: a beleza em sua plenitude.
(Etm. do latim: plenitudinis)

Sendo assim para ser pleno é preciso estar completo.
Em outras palavras só serei completo quanto ter você.
Quero que entenda amor...
Eu não quero outro sorriso, outro riso, 
muito menos outro olhar. 
Eu não quero outro colo, outro carinho, 
nem outro abraço que me acolha. 

Não quero que outras mãos afaguem minha nuca
ou que outros braços me protejam
da maldade do mundo ou de mim mesmo. 
Eu não quero outro beijo, outro cheiro, 
nem outros dedos entrelaçando os meus. 
Eu não quero outro amor, além do seu.
Eu não quero outro alguém, 

Quem foi que disse que nada é para sempre? 
com certeza não sabe o que é amar alguém 
como eu te amo
a plenitude não vem nos momentos que você deseja.
não vem quando você espera
ela acontece quando você não quer, ,
quando você tem medo ou não aceita que seja. 
Quando você foge, quando você nega, 
quando você não faz nada para torná-la verdade

As vezes esperamos que o tempo resolva, 
ai sem querer a gente perde muito tempo
em passatempos intermináveis 
tentando negar aquilo que já sabemos 
Por mais clichê que possa parecer, 
eu digo: Sou melhor porque tenho você. 
Sou feliz porque tenho você. 
Sou amor porque sou de você.

Bobeira é você pensar que existe alguém 
que eu queira mais que você.
Sou quem te cuida, mesmo longe. 
Quem te protege, mesmo ausente. 
Quem te espera, mesmo cansada. 
Quem te adora, mesmo ignorada. Quem te aceita, 
mesmo com todos os teus defeitos. 
E acima de tudo, sou quem te ama. 
Hoje e amanhã e depois e sempre.
Pois só assim entendo o que é ter
Plenitude......

Autor: Celso F. Santos

QUANDO EU ME AMEI DE VERDADE




Quando me amei de verdade,
Parei de me culpar, 
pelas intempéries da vida 
compreendi que em qualquer circunstância, 
eu estava no lugar certo, na hora certa, 
no momento exato.
E então, pude relaxar.
Hoje sei que isso tem nome... 
Auto-estima.

Quando me amei de verdade, 
pude perceber que minha angústia, 
meu sofrimento emocional, 
não passa de um sinal de que estou indo 
contra minhas verdades. 
e que nada ou ninguém pode retirar de mim 
aquilo que esta impregnado em meu DNA
Hoje sei que isso é...
Autenticidade.

Quando me amei de verdade, 
parei de desejar 
que a minha vida fosse diferente 
e comecei a ver que tudo o que acontece 
contribui para o meu crescimento.
cada erro, cada acerto, 
contribuiu para me transformar 
no ser que hoje sou  
chamo isso de... 
Amadurecimento.

Quando me amei de verdade, 
comecei a perceber 
como é ofensivo.. 
tentar forçar alguma situação ou
alguém apenas para realizar aquilo que desejo, 
mesmo sabendo que não é o momento ou 
que a pessoa não está preparada, 
inclusive eu mesmo.
Aprendi a esperar..
Hoje sei que o nome disso é... 
Respeito.

Quando me amei de verdade 
comecei a me livrar de tudo que não fosse saudável... 
Pessoas, tarefas, tudo, preceitos, tabus, dogmas   
qualquer coisa que me pusesse para baixo.
ou tentasse de alguma forma moldar-me  
De início minha razão chamou essa atitude de egoísmo.
Hoje sei que se chama... 
Amor-próprio.

Quando me amei de verdade, 
deixei de temer o meu tempo livre 
desisti de fazer grandes planos, 
abandonei os projetos megalômanos de futuro.
Hoje faço o que acho certo, o que gosto, 
quando quero e no meu próprio ritmo.
Hoje sei que isso é... 
Simplicidade.

Quando me amei de verdade, 
desisti de querer sempre ter razão e, 
com isso, errei muitas menos vezes.
descobri a...ter domínio próprio
hoje sei que isso se chama
Humildade.

Quando me amei de verdade, 
desisti de ficar revivendo o passado 
e de preocupar com o futuro. 
Agora, me mantenho no presente, 
que é onde a vida acontece.
Hoje vivo um dia de cada vez. 
porém intensamente
Isso é... Plenitude.

Quando me amei de verdade, 
percebi que minha mente 
pode me atormentar e me decepcionar. 
Mas quando a coloco a serviço do meu coração, 
ela se torna uma grande e valiosa aliada.
Tudo isso é... 
Saber viver!!!

Quando me amei de verdade 
desisti de projetar nos outros 
as minhas forças e fraquezas 
e guardei-as comigo."
Quando me amei de verdade 
comecei a perceber todos os meus sentimentos, 
sem analisá-los, sentindo - os de verdade.
entendi que fazendo isso 
acontece uma coisa incrível. 
Experimente. Você vai ver

(autor Charles Chaplin - Releitura - C.F.S.

sábado, 24 de agosto de 2013

Essa é pra quem vai prestar o ENEM ou vestibular



Premissa 1. Os adjetivos são variáveis para concordar com o substantivo: comício popular > comícios populares; pedra dura > pedras duras; terno cinzento > roupa cinzenta > ternos cinzentos > roupas cinzentas.

Premissa 2. Substantivo foi criado para nomear seres, e não para referir-se a outro substantivo, por isso: substantivo tem seu gênero próprio para não concordar com outro substantivo: homem, pedra, cinza.

Premissa 3. Substantivo para caracterizar outro normalmente vem precedido de preposição, com a qual forma uma locução adjetiva: homens de pedra, mulheres sem cabelo. A presença da preposição entre os dois substantivos define a independência de ambos em termos de concordância.

Fato 1. Em certos casos, motivados pela criatividade do falante, um substantivo é usado para caracterizar outro - comício(s) monstro, festa(s) monstro, terno(s) cinza - mantendo-se, com base na premissa 2, invariável. Invariável, porque, com base na mesma premissa, substantivo não é lingüisticamente destinado a concordar com outro substantivo, pelo simples fato de não ter sido criado para referir-se a qualquer outro.

Fato 2. Adjetivos (variáveis) relacionados a cores [cinzento(a)(s), dourado(a)(s), rosado(a)(s), prateado(a)(s)] podem ser substituídos por substantivos, que se incluem, como extensão, no fato 1 e, portanto, são invariáveis, como se demonstra no seguinte quadro:


Subst./adjetivo *
Subst./locução adjetiva **
Subst./substantivo***
Terno(s) dourado(s)
Terno(s) de ouro
Terno(s) ouro
Homem(ns) pétreo(s)
Homem(ns) de pedra
Homem(ns) pedra
Roupa(s) cinzenta(s)
Roupa(s) da cor de cinza
Roupa(s) cinza
Meia(s) rosadas
Meia(s) da cor de rosa
Meia(s) rosa
Gravata(s) ebúrneas
Gravata(s) da cor de marfim
Gravata(s) marfim

Em que
* os adjetivos em negrito referem-se a substantivos, concordando com eles em gênero e número;
** as locuções adjetivas, em itálico, referem-se a substantivos e mantêm-se invariáveis, com eles não concordando;
*** as palavras em itálico sublinhado são substantivos em função adjetiva e mantêm-se invariáveis.

Fato 3. Do fatos 1 e 2, deduz-se que em "festas monstro" e "roupas cinza", as palavras em negrito, embora funcionem sintaticamente como adjetivos (por caracterizarem um substantivo, definindo-lhe a cor), comportam-se como substantivos, que assumem gênero e número próprio e não concordam com outro.

Fato 4. O adjetivo composto relacionado a cores pode apresentar componentes substantivos no início (rosa-claro, marfim-escuro), ou no fim (verde-garrafa, amarelo-canário), ou em ambas as posições (rosa-choque, cinza-chumbo), que permanecem invariáveis, por serem originariamente substantivos.

Fato 5. Quando o substantivo feminino (a cinza, a rosa) assume papel de adjetivo relacionado a cor, assume também o gênero masculino, resquício do neutro (o cinza, o rosa), que comanda o gênero de outros adjetivos a ele referentes. Por isso, diz-se "camisas rosa-claro, gravatas cinza-escuro", situações em que "claro" e "escuro" não concordam com os substantivos "a rosa" e "a cinza", femininos, mas, sim, com os adjetivos relacionados a cor, que se transformam em substantivos masculinos, "o rosa" e "o cinza".

Conclusão: Os adjetivos (simples ou compostos) designativos de cores ou não, se tiverem forma adjetiva, são variáveis -monstruoso(a)(s), rosado(a)(s), cinzento(a)(s) - para concordar com os substantivos a que se referem. Se assumirem forma de substantivo, são invariáveis - monstro, rosa, cinza, cinza-claro, cinza-pérola - pois não concordam com outro substantivo.

Há, contudo, gramáticos que não atentando para esses importantes detalhes, estranhamente aceitam, quando o segundo elemento for substantivo, dois plurais (verdes-abacate ou verdes-abacates, amarelos-canário ou amarelos-canários).

Orientação para prova: Primeiramente, procure a resposta que se coadune com a nossa conclusão, toda escrita em negrito. Caso não exista, pode aceitar, quando o segundo elemento for substantivo, um dos dois plurais, que consideramos estranhos. Se o edital da prova não indicar bibliografia, o examinador deverá esquivar-se desse assunto, para evitar que se anule a questão.

Finalmente, não se esqueça de que "azul-marinho" e "azul-celeste" são invariáveis e de que "surdo-mudo" varia em gênero e número, "surdos-mudos", "surdas-mudas".

Fonte:http://www.vestcon.com.br/artigo/plural-dos-adjetivos-(simples-ou-compostos)-indicadores-cor.aspx

Teoria da Sexualidade



Três Ensaios sobre a Teoria da Sexualidade

O primeiro grande conceito desenvolvido por Freud foi o de Inconsciente, este começa seu pensamento teórico assumindo que não há nenhuma descontinuidade na vida mental. Diz que nada ocorre por acaso e, muito menos, os processos mentais. Há uma causa para cada pensamento, para cada memória revivida, sentimento ou ação. Cada evento mental é causado pela intenção consciente ou inconsciente e é determinado pelos fatos que o precederam. Uma vez que alguns eventos mentais “pareceram” ocorrer espontaneamente, Freud começou a procurar e descrever os elos ocultos que ligavam um evento consciente a outro. Quando um pensamento ou sentimento parece não estar relacionado aos pensamentos e sentimentos que o precederam, as conexões estão no inconsciente. Uma vez que estes elos inconscientes são descobertos, a aparente descontinuidade está resolvida.

Freud em suas investigações na prática clínica sobre as causas e funcionamento das neuroses, descobriu que a grande maioria de pensamentos e desejos reprimidos referiam-se a conflitos de ordem sexual, localizados nos primeiros anos de vida dos indivíduos, isto é, na vida infantil estavam as experiências de caráter traumático, reprimidas, que se configuravam como origem dos sintomas atuais e, confirmava-se, desta forma, que as ocorrências deste período de vida deixam marcas profundas na estruturação da personalidade. As descobertas colocam a sexualidade no centro da vida psíquica e é desenvolvido o segundo conceito mais importante da teoria psicanalítica: a sexualidade infantil. Estas afirmações tiveram profundas repercussões na sociedade puritana da época pela concepção vigente de infância “inocente”.

“Os principais aspectos destas descobertas são:

1. A função sexual existe desde o princípio de vida, logo após o nascimento e não só a partir da puberdade como afirmavam as idéias dominantes.
2. O período da sexualidade é longo e complexo até chegar a sexualidade adulta, onde as funções de reprodução e de obtenção de prazer podem estar associadas, tanto no homem como na mulher. Esta afirmação contrariava as idéias predominantes de que o sexo estava associado, com exclusividade a reprodução.
3. A libído, nas palavras de Freud, é a “energia dos instintos sexuais e só deles”.

Foi no “Três ensaios de sexualidade”, que Freud postulou o processo de desenvolvimento psicossexual, o indivíduo encontra o prazer no próprio corpo, pois nos primeiros tempos de vida, a função sexual está intimamente ligada à sobrevivência. O corpo é erotizado, isto é, as excitações sexuais estão localizadas em partes do corpo e há um desenvolvimento progressivo também ligado as modificações das formas de gratificação e de relação com o objeto, que levou Freud a chegar nas fases do desenvolvimento sexual:

Fase oral (0 a 2 anos) – a zona de erotização é a boca e o prazer ainda está ligado à ingestão de alimentos e à excitação da mucosa dos lábios e da cavidade bucal. Objetivo sexual consiste na incorporação do objeto (3).

Fase anal (entre 2 a 4 anos aproximadamente) – a zona de erotização é o ânus e o modo de relação do objeto é de “ativo” e “passivo”, intimamente ligado ao controle dos esfíncteres (anal e uretral). Este controle é uma nova fonte de prazer.

Acontece entre 2 e 5 anos o complexo de édipo, e é em torno dele que ocorre a estruturação da personalidade do indivíduo. No complexo de Édipo, a mãe é o objeto de desejo do menino e o pai (ou a figura masculina que represente o pai) é o rival que impede seu acesso ao objeto desejado. Ele procura então assemelhar-se ao pai para “ter” a mãe, escolhendo-o como modelo de comportamento, passando a internalizar as regras e as normas sociais representadas e impostas pela autoridade paterna. Posteriormente por medo do pai, “desiste” da mãe, isto é, a mãe é “trocada” pela riqueza do mundo social e cultural e o garoto pode, então, participar do mundo social, pois tem suas regras básicas internalizadas através da identificação com o pai. Este processo também ocorre com as meninas, sendo invertidas as figuras de desejo e de identificação.

Fase fálica – a zona de erotização é o órgão sexual. Apresenta um objeto sexual e alguma convergência dos impulsos sexuais sobre esse objeto. Assinala o ponto culminante e o declínio do complexo de Édipo pela ameaça de castração. No caso do menino, a fase fálica se caracteriza por um interessse narcísico que ele tem pelo próprio pênis em contraposição à descoberta da ausência de pênis na menina. É essa diferença que vai marcar a oposição fálico-castrado que substitui, nessa fase, o par atividade-passividade da fase anal. Na menina esta constatação determina o surgimento da “inveja do pênis” e o conseqüente ressentimento para com a mãe “porque esta não lhe deu um pênis, o que será compensado com o desejo de Ter um filho.

Em seguida vem um período de latência, que se prolonga até a puberdade e se caracteriza por uma diminuição das atividades sexuais, como um intervalo.

Fase Genital – E, finalmente, na adolescência é atingida a última fase quando o objeto de erotização ou de desejo não está mais no próprio corpo, mas em um objeto externo ao indivíduo – o outro. Neste momento meninos e meninas estão conscientes de suas identidades sexuais distintas e começam a buscar formas de satisfazer suas necessidades eróticas e interpessoais.

O interesse de Freud sobre as aberrações sexuais fez com que ele escrevesse este livro com o intuito de discutir os desvios sexuais com respeito a seu objeto (pessoa de que procede a atração sexual) e a seu objetivo (ato a que visa o instinto sexual). Com o conceito de objeto sexual, Freud nos apresenta alguns comportamentos considerados como desvios sexuais, isto é, o comportamento dos invertidos – pessoas que têm sentimentos sexuais contrários (homossexuais), pode variar sob alguns aspectos, tais como : podem ser invertidos absolutos, podem ser invertidos anfigênicos, isto é, hermafroditas psicossexuais, ou ainda podem ser invertidos ocasionais. Com isto, Freud concluiu que os invertidos absolutos são frutos da degenerescência nervosa, porém, as outras duas formas de inversão, leva-o a supor que a constituição física originalmente bissexual tornou-se no curso da evolução, unissexual; contudo, alguns traços do sexo que se atrofiou ainda permanecem presentes.

A teoria do hermafroditismo psíquico pressupõe que o objeto sexual de um invertido é o oposto de uma pessoa normal. Com isto, explica-se o fato de a pulsão sexual ser independente de seu objeto e de a sua origem não se dever aos atrativos de seu objeto, portanto, considera-se alguns casos em que pessoas sexualmente imaturas (crianças) são escolhidas como objetos sexuais e há também casos em que animais são os objetos das relações sexuais, mas como aberrações esporádicas. Freud então, conclui que a natureza e a importância do objeto sexual recuam para o segundo plano, e o que é essencial e constante no instinto sexual é algo diverso.

Neste ensaio, Freud afirma que as perversões sexuais são atividades que se estendem além das regiões genitais que se destinam à união sexual, ou ainda se retardam nas relações intermediárias com o objeto sexual. O uso da boca como um órgão sexual é considerado uma perversão se a região oral entrar em contato com os órgãos genitais de outra pessoa. Ao que se refere ao ânus, Freud explicita que é a repugnância que define este objetivo sexual como perversão. O fetichismo também é considerado como uma perversão, por ser os substitutos inadequados (cabelos, pés, roupas…) para o objeto sexual. Qualquer fator externo ou interno que dificulte a realização do objetivo sexual normal se transformará em novos objetivos sexuais que irão substituir o objetivo normal. A escopofilia (prazer em olhar) torna-se uma perversão quando o olhar limita-se aos órgãos genitais. Porém, a perversão mais comum e significativa é o desejo de sentir ou fazer o outro sentir dor (sadismo/masoquismo), e geralmente ambas as formas estão presentes no mesmo indivíduo.

Freud discute as perversões em geral e afirma que o caráter patológico de uma perversão não reside no conteúdo do novo objetivo sexual, mas na sua relação com o normal. A pulsão sexual, portanto, tem que lutar contra algumas forças mentais que atuam como resistências, que na verdade são a vergonha e a repugnância. A pulsão sexual dos neuróticos só pode ser conhecida através da investigação psicanalítica. Segundo Freud, as psiconeuroses, a histeria, a neurose obsessiva, a neurastenia, a esquizofrenia e a paranóia se baseiam em fortes pulsões sexuais. Entende-se pulsão sexual como representante psíquica de uma fonte contínua de fluxo de estimulação que se estabelece por excitações isoladas. Surgem então, duas formas de excitações, e uma destas formas é especificamente sexual, isto é, o órgão em questão é a zona erógena da pulsão sexual que dela surge. O papel das zonas erógenas é óbvio no caso das perversões que designam a importância sexual aos orifícios anal e oral. Na histeria, o ânus e a boca, bem como as regiões vizinhas tornam-se o novo objetivo sexual. Na neurose obsessiva, os impulsos sexuais criam novos objetivos sexuais que parecem independentes das zonas erógenas. Já na escopofilia e no exibicionismo o olho corresponde a uma zona erógena, enquanto nos casos dos componentes da pulsão sexual que envolvem dor e crueldade (sadomasoquismo) a pele assume o novo objetivo sexual.

A psiconeurose aparece geralmente após a puberdade como resultado das exigências feitas pela vida sexual normal, ou mais tarde, quando a libido não consegue obter satisfação pelas vias normais. Neste ensaio, Freud afirma que a sexualidade dos neuróticos permanece ou regride a um estágio infantil.
O período de latência sexual na infância e suas interrupções são tratados neste ensaio, pois a partir disto o autor explica de forma acessível como se formam as forças mentais que após a primeira infância irão impedir o curso dos impulsos sexuais. Nesta fase são adquiridos componentes capazes de desviar as pulsões sexuais dos seus objetivos sexuais e sua orientação para novos objetivos, e este processo é chamado de sublimação, processo importante no desenvolvimento do indivíduo, que se inicia na latência sexual infantil.

Freud analisa as manifestações da sexualidade infantil e classifica três características como essenciais: a manifestação sexual na sua origem, está ligada a uma das funções somáticas, a manifestação ainda não é dirigida a um objeto sexual, é auto-erótica e o objetivo da manifestação sexual é dominado por uma zona erógena.

Uma zona erógena é uma parte do corpo que recebe estímulos e tem como consequência uma sensação de prazer. Há zona erógenas predestinadas, porém, ainda na infância o indivíduo pode estimular outras áreas que então passarão a atuar como zona erógenas exatamente como os órgãos genitais. O objetivo da sexualidade infantil consiste em ter prazer por meio de estimulação da zona erógena que foi selecionada, este prazer, segundo Freud, já deve ter sido experimentado anteriormente, criando a necessidade de repetição. Ainda na infância, os distúrbios intestinais, fazem com que a zona anal tenha excitações intensas. Sob a influência da sedução, afirma o autor, as crianças podem ser levadas a todas as espécies de irregularidades sexuais, isto mostra que a aptidão para as perversões existe de forma inata na constituição da criança. A vida sexual infantil exibe componentes que envolvem outras pessoas como objetos sexuais, tais como escopofilia, exibicionismo e crueldade. O impulso da crueldade domina uma fase sexual que é descrita por Freud como organização pré-genital.

A vida sexual infantil é essencialmente auto-erótica. Freud nomeia pré-genital a fase da vida sexual em que as zonas genitais ainda não assumiram seu verdadeiro papel. A primeira fase é a organização oral, a segunda fase é a pré-genital, onde ocorre a organização sádico-anal. A forma de organização sádico-anal pode persistir durante toda a vida.

A excitação sexual surge como reprodução de uma satisfação, através da estimulação das zonas erógenas ou como expressão de certas pulsões. Freud explica que as crianças sentem necessidade de atividades muscular e obtêm prazer em fazer estas atividades.

Com a chegada da puberdade, as mudanças se estabelecem para definir a sexualidade infantil. A vida sexual normal é definida quando o objeto e o objetivo sexuais se dirigem para a mesma direção.

Somente na puberdade as características femininas e masculinas são distinguidas. A puberdade tem como conseqüência um aumento da libido. A menina, durante a puberdade altera sua zona erógena, porém o menino mantém sua zona erógena primária inalterada desde a infância. A puberdade estabelece a prioridade das zonas genitais, simultaneamente, o fator psíquico completa-se com o processo de encontrar um objeto sexual.

Freud explica que as crianças durante, durante a fase de latência aprendem a sentir afeto por outras pessoas que satisfazem suas necessidades. Para Freud, as crianças se comportam como se a dependência das pessoas que cuidam delas possuísse a natureza de amor sexual. Para se ter uma vida sexual normal, uma das tarefas mais complicadas é escolher o objeto sexual, e essa escolha se voltar em direção ao sexo oposto.

Autor: Elaine Vieira de Souza

sexta-feira, 16 de agosto de 2013



A cientologia é uma religião fundada em 1952 que se auto-elege como síntese de religião e ciência pelo autor L. Ron Hubbard que focalizava seu trabalho na ficção científica. Essa permaneceu por dois anos buscando seu espaço até que conseguiu ser oficializada como religião.

Dentre seus ensinamentos, prega a imortalidade do ser humano, estimula as pessoas a eliminar seus traumas para obter a mente limpa e relata que a sobrevivência do homem depende dele mesmo, dos outros e da interação cósmica. Por tal ensinamento, é vista em alguns países como uma seita que aplica lavagem cerebral em seus adeptos.

A principal prática da cientologia é a Dianética, metodologia que auxilia e alivia as sensações e emoções indesejadas, medos e até doenças psicossomáticas. Tal prática é chamada de audição e tem o objetivo de clarear a mente restabelecendo o controle realístico e percebendo as informações armazenadas na mente. A cientologia realiza cultos aos domingos, aulas formais, batismos, casamentos e outras cerimônias de ordem religiosas.

Chegou ao Brasil em 1994 trazida por Lucia Winther, que se tornou líder do culto e porta-voz do país observando tudo o que é falado por seus adeptos à mídia e vistoriando todo o trabalho de impressão feito pela editora que publica livros relacionados à religião. Os livros relacionados à cientologia no Brasil já foram vendidos a quatro mil pessoas, porém a pequena minoria se interessou pela nova religião.

A cientologia conta com oito milhões de adeptos espalhados pelo mundo, sendo que somente 200 residem no Brasil.

Imagine com 16 anos e escrevendo assim...



Coração Melancólico Nostálgico pelo seu amor 
quase louco de Hormônios que desejam sua boca .... 
Mas o tempo é curto e minha carne ainda em formação 
tento desvendar os segredos e abrir as sete portas do seu coração 
mas acada dia que passa lembro que não tenho 
nem as chaves necessárias para abrir a minha 
Mente muito menos a do seu coração rsrsrs 
Estranha e Pragmática você se auto define a sua mente kkkkk 
o mais estranho e mais pragmático que isso é acreditar 
que esse sou eu quando na verdade é apenas 
a maquiagem social que sou obrigado a usar kkkkkkkk 
Apenas posso rir como já disse
sua mente não é e nunca foi impenetrável 
é apenas mais uma porta que eu consigo abrir 
mas joguei a chave fora ... Kkkkkkkkk 
então eis que continuo fazendo a missão que me foi dada


Obs: escrevi o texto na integra; apenas acentuando as palavras 


Autor M.F.S.

domingo, 14 de julho de 2013

Presente Divino

Os Deuses me enviaram o mais precioso dos presentes;
tornei-me anfitriã do mais ilustre visitante,
requinte dos requintes,
altivo e radiante,
poderoso Amor.


Vinho de nobre linhagem
vertido em tão rude Graal,
recusas os limites de teu pobre recipiente,
explodes em meu peito,
expandes minha vida para além de qualquer margem.


Ave de vôo potente,
indomável, divina arte,
causas êxtase e vertigem
em quem tenta acompanhar-te.


Com tuas garras, dilaceras
o ousado portador
que anseia por contê-lo.
Dilacera-nos de dor,
e, ainda assim, como és Belo !


Não te vás nunca, Graça Divina,
tão grandioso sentimento
que atravessa todo o mundo,
impetuoso qual fosse o vento.


Se tu partires, não serei nada,
apenas ermo e vão castelo
onde a Psique, desconsolada,
chora a perda do Ser mais belo.


Fica, ainda que tu diluas
as margens deste meu coração
com seus limites imaginários.
És Alkahest, solvente universal,
dissolves o portador temerário
que ousa tentar te conter.


Eu te percebo, às vezes, árduo e cruel,
mas, ainda assim, te quero em minha vida.
Ainda que me negues tuas sombras neste mundo,
ainda que me cegues e exponhas minhas feridas,
ainda que não me dês nada, nada mais
senão o delírio de tua presença,
eu quero estar contigo.


Para quem te sonhou doce, és demasiado amargo,
para quem te crê frágil e lânguido,
és demasiado forte, viril e guerreiro.
Mas não há algo tão belo como és, no mundo inteiro.


Permite, Ser Divino, meu acesso a teu Séqüito,
humilde e despojada de adornos que me impeçam de voar.
Toma-me em tuas garras,
cruzando os ares no ardor deste teu vôo,
vendo o mundo a partir da altitude em que tu o vês,
vendo e amando o mundo através de teus olhos,
ainda que me dilaceres, desmontes e desfaças
e me reconstruas,  na forma que escolheres para mim.
E poderei então dizer sou teu


Autor: Celso Ferreira dos Santos...